Os espectros do protecionismo, da competição geopolítica e do enfraquecimento da integração internacional recentemente tornaram inseguros os alicerces do comércio global. Não é de admirar, portanto, que novas formas de conectar-se à economia internacional estejam florescendo.

Entre essas inovações está o blockchain, uma tecnologia denominada de distribuidora de registros que permite que as transações sejam validadas sem o uso de um banco de dados centralizado. Blockchain tem atraído mais atenção por seu papel como plataforma para criptomoedas: desde sua estréia em 2008, ajudou a gerar mais de 800 deles, incluindo o Bitcoin. Mas as criptomoedas servem principalmente para investimentos especulativos, brinquedos para tecnólogos e instrumentos para lavagem de dinheiro. O impacto mais profundo da Blockchain no comércio global virá do seu uso por empresas e instituições financeiras. Alguns já estão empregando-o para digitalizar contratos, eliminar intermediários em transações financeiras e tornar os livros mais fáceis de serem auditados. Como o blockchain fornece um registro digital distribuído que não exige confiança ou coordenação entre as empresas, ele permite que transações seguras e padronizadas ocorram quase instantaneamente, mesmo entre fronteiras.

Os reguladores devem acolher esses desenvolvimentos. A adoção generalizada de blockchain reduziria o atrito na economia global, e beneficiaria especialmente os importadores e exportadores, concedendo-lhes acesso ao apoio financeiro que muitos agora carecem.

BLOQUEADO

Alguns observadores compararam o potencial do blockchain com o da Internet: uma invenção transformadora que poderia desencadear mudanças rápidas graças à amplitude de suas possíveis aplicações. A verdade, no entanto, é que muitas das aplicações do blockchain trarão apenas melhorias incrementais. A tecnologia, por exemplo, poderia ajudar os grandes bancos a eliminar contratos de papel, acabar com as câmaras de compensação, proteger sistemas digitais contra ataques cibernéticos e liquidar rapidamente as transações: mudanças que poderiam salvar essas instituições centenas de milhões de dólares a cada ano. Mas chegar lá levará tempo, porque a infraestrutura financeira existente está em vigor há décadas e porque é difícil conseguir que instituições concorrentes cooperem.

Para as empresas compartilharem os benefícios do blockchain no curto prazo, eles precisam ter um interesse preexistente em trabalhar juntos, que vai além de apenas cortar custos. É por isso que blockchain tem tanto potencial no campo do financiamento do comércio (também conhecido como financiamento da cadeia de suprimentos). O financiamento do comércio compreende os instrumentos que sustentam o comércio internacional, desde as cartas de crédito (as garantias de pagamento bancárias que os importadores oferecem aos exportadores) até os conhecimentos de embarque (os documentos que certificam o conteúdo de uma remessa). Os bancos e empresas que participam do trade finance têm motivos para cooperar entre si, uma vez que estão conectados entre si por meio de uma cadeia de suprimentos comum. (Minha empresa, SkuChain, fornece tecnologia blockchain para a cadeia de suprimentos, inclusive na área de trade finance.)

Em 2015, o setor de financiamento do comércio global valia cerca de US $ 2,8 bilhões de dólares. O mercado total disponível, no entanto, é cerca de 10 vezes esse tamanho, segundo a consultoria McKinsey and Company. A indústria desempenha um papel crítico nas cadeias de fornecimento globais: sem ela, o envio de mercadorias através das fronteiras custaria muito mais, e as empresas seriam incapazes de obter o financiamento necessário para suas operações.

O problema é que as empresas não podem acessar certos tipos de financiamento comercial, graças a regulamentações e riscos. Como resultado, em 2015, o volume de financiamento do comércio global caiu US $ 1,6 trilhão para as necessidades das empresas, de acordo com o Banco Asiático de Desenvolvimento. As empresas mais afetadas foram as pequenas e médias empresas, cujas solicitações de financiamento comercial foram rejeitadas pelas instituições financeiras em 57% do tempo, em comparação com apenas 10% das solicitações de empresas multinacionais. Como a capacidade dos mutuários de acessar o financiamento comercial depende da condição de seus balanços patrimoniais e porque há incerteza quanto à aplicabilidade dos contratos, muitas vezes é proibitivamente caro para as empresas garantir capital.

As empresas e os bancos, em suma, ainda têm que arranhar a superfície do potencial das finanças comerciais. Desbloqueá-lo poderia reduzir o atrito no comércio internacional, ampliar a distribuição dos ganhos do comércio e incentivar um maior crescimento econômico. É aqui que o blockchain tem um papel a desempenhar.

RISCO E REGULAMENTO

Existem alguns impedimentos importantes ao crescimento do financiamento do comércio. As primeiras são as restrições de capital introduzidas pelos marcos regulatórios de Basileia II e Basileia III, que foram desenvolvidos por um comitê representando os bancos centrais dos países do G-10 em 2004 e 2011, respectivamente. Basileia II e III procuraram proteger os balanços dos bancos contra choques econômicos. No entanto, eles também sufocaram a capacidade dos bancos comerciais de garantir financiamento comercial.

Comece com Basileia II. Esse acordo exigiu que os bancos mantivessem capital suficiente para cobrir as obrigações dos instrumentos financeiros por pelo menos um ano, em uma tentativa de isolar melhor o sistema bancário das perturbações econômicas. Mas os instrumentos de financiamento do comércio, que se concentram em transações de curto prazo, tendem a amadurecer mais rapidamente do que isso, uma média de cerca de 80 a 147 dias após sua emissão, segundo a Câmara de Comércio Internacional. Como resultado, Basileia II encorajou os bancos a se afastarem do financiamento de curto prazo que suporta as cadeias de suprimento e a ativos mais arriscados com prazos de vencimento mais longos. (As Diretrizes da Basiléia, desde então, isentaram algumas formas de financiamento comercial desse requisito, mas muitas ainda são afetadas.)

Quanto a Basileia III, exigiu que os bancos incorporassem instrumentos financeiros que historicamente haviam sido mantidos fora de seus balanços em seus cálculos de índices de alavancagem, uma medida que efetivamente avalia a capacidade de um banco de cumprir suas obrigações financeiras. Os instrumentos de financiamento do comércio se encaixam nessa conta e o resultado foi que a regulamentação fez com que os índices de alavancagem de alguns bancos parecessem mais arriscados do que realmente eram. A organização de serviços financeiros BAFT-IFSA estimou que os custos de capital dos bancos para o financiamento do comércio aumentariam entre 18 e 40% quando os regulamentos de Basileia III fossem divulgados, sem um aumento proporcional nos retornos. Naturalmente, os bancos preferem ter ativos de maior rendimento em seus livros; Como resultado, a regra suprimiu o financiamento do comércio. (Em janeiro de 2015, após uma reação do setor de trade finance, o Comitê de Basileia decidiu que os bancos teriam que responder por apenas 20% do valor dos instrumentos de trade finance ao calcular os índices de alavancagem, mas essa mudança foi implementada de forma desigual. )

Depois, há os chamados regulamentos anti-lavagem de dinheiro e know-your-client, que buscam fornecer padrões internacionais para a prevenção de fraudes financeiras. Isso impede o financiamento do comércio, tornando o processo e a papelada envolvidos na execução de transações mais árduas. O risco de contraparte (o risco de que um comprador ou vendedor não é financeiramente sólido) e o risco de desempenho (o risco de uma parte não cumprir suas obrigações contratuais) são os outros limites do financiamento ao comércio. Altos níveis desses riscos tornam mais oneroso para as instituições financeiras emitir cartas de crédito e outros instrumentos de financiamento.

DESENCADEANDO

Os bancos já estão trabalhando para digitalizar suas transações financeiras para reduzir custos e aumentar a segurança. Alguns, por exemplo, estão criando consórcios que irão padronizar e integrar as atividades das empresas de tecnologia financeira. Tais mudanças podem produzir transações mais baratas, mais rápidas e mais seguras. Mas esses benefícios por si só não são suficientes para superar a principal fonte do déficit no financiamento ao comércio: riscos e regulação do tipo introduzidos por Basileia II e III.

Existem duas maneiras principais pelas quais o blockchain pode ajudar as empresas a superar esses problemas. Primeiro, blockchain introduz segurança profunda. A tecnologia não apenas permite a digitalização de contratos e outros documentos, como também pode garantir identidades digitais seguras para os próprios produtos, eliminando ou, pelo menos, detectando com precisão o risco de desempenho. Em seguida, permite que as empresas envolvidas em uma transação insiram e recebam dados sobre mercadorias em tempo real, sem integrar suas respectivas infraestruturas digitais. Tudo isso aumenta as informações à disposição das empresas e instituições financeiras, permitindo transações que de outra forma carregariam uma quantidade intolerável de risco de desempenho. A certificação do cumprimento das obrigações contratuais por parte das empresas no blockchain também quase elimina o risco de contraparte. Esses benefícios estão fora do alcance dos bancos-sombra e das plataformas digitais de financiamento do comércio, as instituições existentes que buscam reduzir as barreiras ao financiamento do comércio. O Blockchain, portanto, oferece às empresas e aos bancos uma maneira de desfazer o efeito retardador de Basiléia II e Basileia III sobre o financiamento do comércio, ao mesmo tempo em que atende aos seus requisitos. (No entanto, a tecnologia não transformará regulamentos contra lavagem de dinheiro e know-your-client: essas regras são exigidas internacionalmente, incorporadas às práticas de conformidade do setor bancário e exigiriam um grande esforço global para a reforma.)

A primeira transação internacional de trade finance no blockhain ocorreu em outubro de 2016, quando a Brigghann Cotton, juntamente com a Wells Fargo e o Commonwealth Bank of Australia, usou a tecnologia para enviar uma remessa de algodão do Texas para a China. As partes envolvidas nesse acordo acompanharam o embarque, que foi feito em um contrato inteligente, do Texas para a China em tempo real.

Isso foi apenas o começo. O trade finance no blockchain pode ir além da visibilidade, transparência e segurança em tempo real. O próximo passo é transformar esses benefícios em novas oportunidades de investimento, até mesmo em novos instrumentos financeiros, estreitando a lacuna do trade-finance em vez de simplesmente melhorar as atuais ofertas do setor.

Há uma chance real de que o potencial do blockchain tenha sido exagerado. No caso do trade finance, no entanto, pode ser apenas uma ferramenta que possa tornar os mercados globais mais acessíveis no momento em que eles parecem estar se fechando.

Fonte: https://www.foreignaffairs.com/articles/2017-08-16/how-blockchain-could-shape-international-trade

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here